23/03/2022 às 08h31min - Atualizada em 23/03/2022 às 08h31min

Guerra na Ucrânia eleva preço do trigo e de derivados, como pães, massas e biscoitos, no RS

GZH

Os efeitos da guerra na Ucrânia no preço do trigo já recaem sobre o Rio Grande do Sul. Até o momento, o Estado registra dois aumentos garantidos para o preço da farinha na indústria, que totalizam cerca de 30%, segundo o Sindicato das Indústrias de Panificação e Confeitaria e de Massas Alimentícias e Biscoitos do Rio Grande do Sul (Sindipan-RS). Um dos reajustes foi de cerca de 15%, no último dia 14, e o outro, em torno de 15%, está previsto para 1º de abril.

Diante desse cenário, padarias, fábricas de pães, massas e biscoitos devem reajustar os preços dos produtos novamente em cerca de 15% a 20% a partir de 1º de abril, segundo o Sindipan. Algumas indústrias já realizaram repasses de valores, de acordo com o reajuste do dia 14, conforme a entidade. Parte dessas elevações acaba sendo repassada ao consumidor final.

O vice-presidente do Sindipan, Arildo Bennech Oliveira, destaca que a pressão desses aumentos em um ambiente com inflação e juro crescentes e queda de renda cria mais um problema.

— A gente está preocupado porque o preço mais caro também vai demandar menos consumo — pontua Oliveira.

O preço da tonelada do cereal subiu cerca de 20% no Estado nos últimos 30 dias fechados na última sexta-feira (18). Com isso, o valor do produto se aproxima dos R$ 2 mil por tonelada, segundo dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Universidade de São Paulo (USP). O levantamento mostra que o preço da tonelada do trigo estava em R$ 1.593,76 em 18 de fevereiro no Estado. Na última sexta-feira, esse montante fechou em R$ 1.901,73. 

O presidente-executivo da Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo), Rubens Barbosa, afirma que a compra de trigo de países vizinhos, como a Argentina, não soluciona o problema, pois não existe oferta maior do produto em razão de contratos já fechados. Barbosa destaca a participação dos dois países envolvidos no conflito do leste europeu na exportação do cereal. A Rússia ocupa a primeira colocação entre os maiores exportadores de trigo, e a Ucrânia, a quarta, segundo o dirigente. O presidente da Abitrigo salienta que isso tem forte impacto nas cotações internacionais, gerando efeito nos preços, que acaba respingando no Brasil. 

— Você tem 30% do trigo mundial nesses dois países — reforça Barbosa. 

O presidente da Associação Gaúcha de Supermercados (Agas), Antônio Cesa Longo, afirma que é inevitável reajustar o valor dos produtos derivados do trigo no mercado. No entanto, ele destaca que os estabelecimentos estão adotando estratégias para tentar diminuir esse repasse ao consumidor final, absorvendo parte do aumento e focando na venda de outros itens. 

— O mercado está fortalecendo, incrementando a venda de outros produtos. Vai se adequando — sintetiza Longo. 

Futuro dos preços

O presidente-executivo da Abitrigo estima que a situação deverá seguir complicada nos próximos meses diante do impasse no conflito no leste europeu. Barbosa destaca isso em um cenário no qual a Ucrânia enfrenta dificuldades para plantar e a Rússia não consegue movimentar o produto:

— O preço do trigo importado vai continuar muito elevado. Acho que, nos próximos meses, a gente vai ter um preço do trigo ainda muito alto. Se a guerra não acabar logo e se não voltar a organizar o mercado internacional, não vejo alívio da situação.

O vice-presidente do Sindipan-RS afirma que é difícil projetar o cenário dos próximos meses porque isso depende de vários fatores, como as sanções ao governo russo e o aumento de produção do cereal.

Tanto o vice-presidente do Sindipan-RS quanto o presidente-executivo da Abitrigo destacam a necessidade de ações para aumentar a produção de trigo no país, diminuindo a dependência de importação. 

Preço médio do trigo - por tonelada no mercado disponível, à vista - RS

  • 18/02/2022 - R$1.593,76
  • 21/02/2022 - R$ 1.593,58
  • 22/02/2022 - R$ 1.593,95
  • 23/02/2022 - R$ 1.582,87
  • 24/02/2022 - R$ 1.592,50
  • 25/02/2022 - R$ 1.592,60
  • 02/03/2022 - R$ 1.605,79
  • 03/03/2022 - R$ 1.647,19
  • 04/03/2022 - R$ 1.687,70
  • 07/03/2022 - R$ 1.735,76
  • 08/03/2022 - R$ 1.748,57
  • 09/03/2022 - R$ 1.767,66
  • 10/03/2022 - R$ 1.894,86
  • 11/03/2022 - R$ 1.871,02
  • 14/03/2022 - R$ 1.909,64
  • 15/03/2022 - R$ 1.903,69
  • 16/03/2022 - R$ 1.895,25
  • 17/03/2022 - R$ 1.902,2
  • 18/03/2022 - R$ 1.901,73

Cepea/USP


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »