22/04/2022 às 09h46min - Atualizada em 22/04/2022 às 09h46min

Pelo 2º mês consecutivo, número de endividados supera 65 milhões no país

Número se aproxima do patamar atingido no pico da pandemia. Já o valor total é o maior do período: R$ 265 bilhões

Correio do Povo

A pressão da alta dos preços sobre o orçamento das famílias provocou novo aumento do número de endividados. Pelo segundo mês consecutivo, a inadimplência cresceu e superou a marca de 65 milhões no Brasil. Segundo levantamento da Serasa, em março, 65,6 milhões de pessoas não conseguiram pagar as contas em dia, índice 0,81% superior em relação ao registrado em fevereiro. A última vez que os números passaram dessa marca havia sido no auge da pandemia de Covid-19, em abril de 2020.

O montante da dívida também é o maior registrado desde o pico da pandemia, superando R$ 265 bilhões. O valor médio, que subiu 3,2% em relação a março de 2020, é de R$ 4.046,31 por pessoa endividada, cerca de quatro vezes mais que o salário mínimo vigente.

O perfil da dívida, porém, é variado. A falta de pagamento de juros a bancos e cartões de crédito lidera com 28,3%%, seguido pelas contas básicas, como luz, água e gás, com 23,2%. O varejo ainda responde por 12,5% do total.

O perfil das pessoas com nome sujo também varia. Entre os inadimplentes, o maior número é na faixa etária dos 26 a 40 anos (35,2%), seguido pela faixa de 41 a 60 anos (34,9%). Os homens respondem por 49,8% e as mulheres, por 50,2%.

Confira sete dicas para deixar as contas em ordem

1) Organize as contas
Organize as finanças para visualizar o valor das suas despesas, pelo menos, pelos próximos três meses, incluindo todas as dívidas já existentes.

2) Calcule sua reserva
De acordo com o que você tem de reserva financeira disponível e com as previsões de entradas no caixa, saberá quanto de dinheiro pode destinar para o pagamento das despesas já existentes.

3) Procure os credores
Procure todos os credores e proponha uma renegociação de acordo com a possibilidade de pagamento mensal. Se for necessário, proponha aumento no prazo e diminuição no valor mensal das parcelas.

4) Priorize pagamentos
Priorize o pagamento das dívidas relacionadas a serviços essenciais ou aquelas que tenham uma taxa de juros mais alta (como cartão de crédito e cheque especial). Essas devem ser liquidadas primeiro.

5) Entenda os contratos
Reveja os contratos assinados com seus credores: em muitos casos já existem cláusulas que preveem medidas especiais em casos extraordinários como desemprego. Se o documento contemplar algo nesse sentido, você pode utilizar essa cláusula para recorrer ao credor.

6) Avalie seus gastos
Reveja seus gastos e seu custo de vida. Isso pode ajudar a evitar que se contraiam novas dívidas.

7) Corte despesas supérfluas
Identifique as despesas que podem ser cortadas nesse período, para que você tenha mais recursos para liquidá-las.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »