06/07/2019 às 09h58min - Atualizada em 06/07/2019 às 09h58min

A nevasca que colocou em evidência o trabalho de um professor fotógrafo na cidade de Alegria

GZH

 

A contribuição deixada por Irio Miguel Girardi, o professor fotógrafo, abordando o visual da cidade de Alegria, é lembrado por sua esposa, Loni Lacks Girardi, na matéria da GZH. Irio, já falecido, nasceu no ano de 1939, no atual município de Três de Maio. Quando tinha 17 anos, por 1956, sua família passou a residir no Rincão da Alegria. Certamente, um dia foi muito especial na vida do professor fotógrafo. Em vez de rumar ao grupo escolar, como costumeiramente fazia, pegou sua máquina fotográfica e, seguindo seu bom faro de fotógrafo, saiu a clicar a nova paisagem que se instalara na manhã de sexta-feira em 20 de agosto de 1965. A pacata Alegria despertou eufórica, sem entender direito a dimensão do fenômeno climático que se abatera sobre ela. As crianças pensaram que o mundo ia terminar, os adultos estavam embasbacados, pois o tal acontecimento era absolutamente incomum na região. Foi o dia da grande nevasca. A neve alterou a vida de toda a comunidade, pois atingiu mais de 50 cm de altura. Nesse dia, não teve aula, o que teve foi o espetáculo da criançada, todas explorando e se divertindo no novo cenário. E, claro, o professor fotógrafo, perspicaz e incansável, percorrendo a pequena Vila Alegria para registrar o inédito evento. 

A importância de seus registros fotográficos vai muito além do dia da neve. Com seu trabalho, ele deixou um rico acervo de imagens e um histórico de importantes fatos comunitários, sociais e esportivos. As fotos que ilustram a coluna são do acervo e da página do Facebook do grupo Município de Alegria e Sua História, que tem por objetivo resgatar a trajetória da cidade. 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »